PROFESSORES QUE, APRENDENDO, ENSINAM: QUANDO A CRIANÇA LÊ POR PRAZER E SEM OBRIGAÇÃO ― LITERATURA INFANTIL, RODAS DE LEITURA E PRÁTICA DOCENTE NA SALA DE AULA

Apresentação

O curso pretende aperfeiçoar o papel dos professores como motivadores de seus alunos no que diz respeito ao incentivo à leitura e à difusão cultural por meio da literatura infantil. A abordagem utilizada é a do letramento literário, que se volta à criação de rodas de leitura e à produção de textos e de fanzines, que são revistas feitas pelos próprios alunos com o uso de cola, papel, tesoura e muita criatividade.

Público Alvo

Alunos dos cursos de Pedagogia e Letras, além de professores e demais interessados.

Programa

AULA 1 – Letramento literário: teoria; Prática docente: fanzines e rodas de leitura

Letramento literário – teoria: processo de apropriação da literatura enquanto linguagem; prática pedagógica com quatro características: (1) o contato do leitor com a obra; (2) construção de comunidade de leitores; (3) ampliação de repertório literário; (4) atividades sistematizadas de leitura.

Prática docente: fanzines, histórias em quadrinhos (HQs) e rodas de leitura: o fanzine (revistas xerocadas feitas pelos próprios alunos, com régua, tesoura, cola etc.) e as HQs na sala de aula; sua produção e divulgação; incentivo à produção de texto, à leitura e à difusão de cultura; as rodas de leitura com a discussão do texto; a leitura literária; as imagens do texto e a imaginação; o fanzine e a HQ produzidos com base na discussão de obra infantil ou infanto-juvenil.

OBSERVAÇÃO 1: em grupos, nesta primeira aula, os alunos deverão escolher o conto de fadas a ser discutido e trabalhado para as aulas 3 e 4 [sugestões: “Branca de neve”, “Bela adormecida”, “Cinderela”, “Chapeuzinho Vermelho”, “Alice no país das maravilhas”, “Pinóquio”, “João e Maria” e “A pequena sereia”], além de decidir a pauta e o título do fanzine e discutir a respeito da montagem da “revista”, que será apresentada na aula 4 por cada grupo.

OBSERVAÇÃO 2: Para a aula 2, leitura de texto teórico “O estatuto da literatura infantil”, de Regina Zilberman.

AULA 2 – Teoria e história da literatura infantil e juvenil

Noção de infância (século XVII) e da adolescência (século XX); a criança na sala de aula e fora do mercado de trabalho (a família, a escola, a educação).

O debate sobre a definição do termo literatura infanto-juvenil (Os livros infantis podem ser considerados literatura?); Século XVIII (crianças como leitoras), moralidade e finalidade educativa (teleologias).

As fábulas de La Fontaine; Contos da mamãe Gansa (1697) e obras de outros autores; os modelos realista e fantástico; os contos de fadas.

OBSERVAÇÃO: Para a aula 3, leitura dos capítulos 3 e 4 de Literatura infantil brasileira: história & histórias, de Marisa Lajolo e Regina Zilberman; leitura de “A origem sangrenta dos contos de fadas” e de “A verdadeira moral da história”, ambas, reportagens da revista Mundo Estranho, da editora Abril.)

AULA 3- Literatura infantil e os contos de fadas
Literatura infanto-juvenil brasileira

Tensão do duplo destinatário (a criança e o adulto); o nacionalismo a partir da República e as primeiras duas décadas do século XX; Monteiro Lobato e a reforma da natureza; histórias da Terra e da humanidade; o campo como cenário; a literatura infanto-juvenil atual;

A temática negra (leitura e discussão de literatura infantil e infanto-juvenil afrodescendente, como material ou feito por autores negros ou com personagens negros).

Análise e discussão dos contos (professor e grupos). (OBSERVAÇÃO: Para a aula 4, leitura de “Letramento literário: uma proposta para a sala de aula”, de Renata Junqueira de Souza e de Rildo Cosson).
AULA 4 – Prática docente: letramento e literatura

Letramento literário: retorno ao tema inicial para fortalecimento das ideias propostas por Souza e Cosson. Encerramento: apresentação dos fanzines de cada grupo, além dos resultados obtidos com a pesquisa sobre cada conto escolhido, lembrando que cada grupo escolheu um conto na aula 1, o qual foi discutido na aula 3 e que, aqui, na aula final, será apresentado de forma expositiva pelos alunos.

So, science students should cheap essays take advantage of this